Jovens que perderam os pais têm direito a benefício - INSS e IPE disponibilizam o custeamento das despesas em caso de necessidade econômica

A pensão por morte do INSS é um benefício para o dependente do segurado, que contribuiucom a previdência. Os filhos que podem obter o auxílio devem ser menores de 21 anos, ou de qualquer idade, caso forem inválidos. O beneficiado não precisa comprovar dependência dos pais falecidos, pois se presume que o filho de até 21 anos não tem como se manter financeiramente.Custear as despesas como alimentação, moradia, locomoção e, junto com elas, manter em dia a mensalidade da universidade são algumas das dificuldades que as famílias enfrentam para manter vivo o sonho de uma formação superior para seus filhos. A situação fica ainda mais difícil quando uma tragédia, como a morte dos pais, se abate sobre a família. Nesses casos, além do abalo emocional, o jovem se vê diante de dificuldades financeiras. Tanto o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) quanto o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (IPE) disponibilizam o pagamento de benefícios sociais para quem se vê em um momento como esse.

Apesar de ser fundamental, o benefício cessa antes de o jovem ter alcançado sua estabilidade econômica. É o caso de Camila Emil. Aos 20 anos, a estudante de Jornalismo, que se beneficiaria do INSS, deixará de receber o auxílio em 2016, quando completar 21 anos. "É uma idade em que tu estás começando a criar pernas, entrando na faculdade, pensando de fato nas prioridades e sem muitas condições de um emprego fixo ou algo que te garanta condições financeiras futuras. Essa indefinição acaba prejudicando o rendimento acadêmico."

O valor da pensão varia de acordo com a contribuição que os pais faziam à Previdência. O piso do benefício é de R$ 788,00, um salário-mínimo, e o teto é de R$ 4.663,00. Sonilde Lazzarin, advogada e professora de Direito Previdenciário e de Direito do Trabalho da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), explica como o benefício é compartilhado. "Esse valor é partilhado entre todos os dependentes, filhos, cônjuge, companheiro. Quando um dos dependentes completa 21 anos, é redistribuído entre os que ainda têm direito."

Uma recente alteração na Medida Provisória nº 664/2014 passou a exigir tempo de carência de, no mínimo, 24 meses de contribuição, para concessão do benefício. As exceções seriam por morte em acidente de trabalho e quando o segurado estava no auxílio-doença ou aposentado por invalidez.

Para Sonilde, quem perdeu os pais deveria ter direito de prolongar o recebimento do benefício. "Filhos ficam desamparados ao perderem os pais, que, em vida, contribuíram por anos. Isso acaba inviabilizando a educação desses jovens. Educação que, aliás, é um direito social previsto na Constituição", diz.

A estudante de Jornalismo Camila enfatiza a importância do auxílio em um momento da vida em que o jovem ainda tem muitas dúvida acerca do seu futuro. "Com a cota, tive um acesso melhor à educação, pude cursar meu Ensino Médio de maneira proveitosa, por não precisar trabalhar durante os estudos. O valor me auxilia no aluguel, com o transporte, com a alimentação e com outras necessidades relacionadas à minha formação acadêmica", conclui.

IPE prolonga o benefício até os 24 anos para estudantes

Outro meio de se obter a pensão é pelo  IPE. O instituto concede o benefício a dependentes de servidores públicos do Estado. O auxílio para homens é até os 18 anos e, para mulheres, até os 21 anos. É necessário que os beneficiários sejam solteiros.

Ao ingressar em curso superior, o benefício é prolongado até os 24 anos. Essa extensão é válida também em casos nos quais o estudante está matriculado no Ensino Médio ou em curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para João Pedro Correa, 23 anos, estudante de Psicologia, a extensão do benefício o auxilia a pagar a mensalidade da universidade. "Se eu não tivesse a cota, ingressaria na universidade mais velho, já com emprego fixo, ou teria que optar pelo Fies", ressalta Correa.

Atualmente, o IPE paga 800 pensões para estudantes, quantia pequena se comparada às 46 mil concedidas por ano. "O objetivo é proporcionar condições de custear a universidade e outros gastos. Pode haver estudantes que não estão usufruindo do benefício por não saberem da existência do auxílio", explica o diretor previdenciário do instituto, Ari Lovera.

O benefício é controlado através da atualização semestral que o próprio estudante realiza. "Ao comprovar que está matriculado no ensino regular, é concedido ao estudante o prolongamento do auxílio. E, nos próximos semestres, o beneficiado deve comprovar o aproveitamento escolar e a rematrícula."

Os valores partem de um salário-mínimo e podem chegar a até R$ 30.471,11. O benefício é compartilhado entre os beneficiários, e todos recebem a mesma quantia. Além da pensão, os dependentes mantêm o direito a fazer o uso do IPE-Saúde, plano de saúde do instituto.

Fonte: Jornal do Comércio. Disponível no link: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=193552 - Acesso em: 15 abril de 2015.

 
Compartilhe |

Comentários
Seja o primeiro a comentar!
 
Nome:
E-mail
Requirido.Formato inválido.
Código:
Verificação do Código: Requirido.
Comentário
Requirido.

 

 
 
    
Relacionados
DESAPOSENTAÇÃO. Julgamento previsto para a sessão plenária desta quarta-feira (29) no Supremo Tribunal Federal (STF), a partir das 14h.
Desaposentação

TAGs
Direito Previdenciário | Direito Penal | Direito Tributário | Direito do Trabalho | Direito Imobiliário | Direito Civil | Direito de Familia |
Indenização pelo atraso ou não entrega de obras
O atraso na entrega de imóvel adquirido na planta sujeita a construtora a indenizar o comprador por dano moral.

TAGs
Jovens que perderam os pais têm direito a benefício - INSS e IPE disponibilizam o custeamento das despesas em caso de necessidade econômica
Em entrevista ao Jornal do Comércio, Dra. Sonilde Lazzarin fala sobre a pensão por morte para jovens que perdem os pais.

TAGs
O Fator Previdenciário
Entenda o que muda caso a flexibilização do fator previdenciário seja sancionada - Matéria completa veiculada no jornal Zero Hora, com a participação da Dra. Sonilde Lazzarin

TAGs
Má prestação de serviço hospitalar que resulta em erro de diagnóstico gera dever de indenizar
A prática costumeira de examinar superficialmente os sintomas e mandar o paciente para casa, muitas vezes ministrando apenas um analgésico, pode levar o hospital a uma condenação indenizatória.

TAGs
Dra. Sonilde Lazzarin, em entrevista no Jornal Zero Hora (16/11/16), fala sobre a reforma da Previdência Social
Na entrevista concedida ao Jornal Zero Hora, Dra. Sonilde Lazzarin discorda da proposta de reforma por entender que as mudanças vão prejudicar os cidadãos das classes de renda mais baixa.

TAGs